Polo de Confecções de Quissamã atrai empresa de São Paulo

Polo de Confecções de Quissamã atrai empresa de São Paulo

Mais uma empresa está interessada em fazer parte do Polo de Confecções de Quissamã, aumentando a possibilidade de trabalho para mão-de-obra feminina no município. Trata-se de uma fábrica de São Paulo que trabalha com a confecção de moda praia (biquinis e sungas).

A fábrica, cujo nome ainda não foi revelado, manifestou interesse na proposta da Prefeitura com base no Programa Quissamã Empreendedor – que garante vantagens de infraestrutura e de redução de impostos para atrair empresas.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Haroldo Cunha Carneiro, informou que representantes da Prefeitura irão a São Paulo, na próxima semana, para conhecer a empresa de perto. Para ser inserido no Quissamã Empreendedor, a fábrica está no processo de elaboração do plano de negócios que pretende realizar no município – aspecto cuja aprovação depende de análise da Comissão de Análise e Parecer do Programa.

Segundo o secretário, a direção da empresa demonstrou grande interesse pelo baixo imposto exigido na proposta. “O Quissamã Empreendedor estabelece ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de apenas 2%”; disse, ressaltando que a fábrica paga 19% de ICMS em seu local de origem.

O Programa exige, em contrapartida, que a empresa contrate cerca de 80% de mão-de-obra local. “Neste aspecto, vale destacar que a fábrica de confecção paulista já se propôs a promover o treinamento de mulheres cadastradas pelo Departamento de Trabalho e Renda e pelo CRAS (Centro de Referência da Assistência Social)”; disse o secretário, ressaltando parceria com a Secretaria de Ação Social no cadastramento da mão-de-obra.

Estrutura – Com cerca de 60 funcionárias, o Polo de Confecções de Quissamã está trabalhando, por enquanto, com duas empresas de confecções, de Nova Friburgo e Macaé. Além destas, o município ainda apresenta uma fábrica quissamaense – a de Maria de Jesus Paula, a Vuja, especialista na confecção de uniformes, que funciona em outro espaço.

As duas fábricas do Pólo são a Distak, onde 40 funcionárias confeccionam macacões para empresas off shore, e a Maria Letícia, que conta com 12 funcionárias e é especializada em moda íntima. “A nossa expectativa é chegar a 25 funcionárias o mais rápido possível”; disse o proprietário Walkir de Almeida.

Foto: Adílson dos Santos