Alceu Valença, Monobloco e Paralamas do Sucesso na Festa da Padroeira de Maricá

Share Button

Igreja de Nossa Senhora do AmparoAlceu Valença, Monobloco e Paralamas do Sucesso são algumas das atrações gratuitas promovidas pela Prefeitura de Maricá nas festividades da padroeira Nossa Senhora do Amparo, de quinta-feira (15/08) até domingo (18/08), na Praça Dr. Orlando de Barros Pimentel.

No dia da santa (15/08), às 21h30, será realizado show católico com a Banda Bom Pastor. Na sexta-feira (16/08), as apresentações começam às 21h, com o show do grupo carioca Monobloco, que se apresenta pela segunda vez na cidade. Consagrado por incorporar ritmos e estilos musicais à batida do samba, o Monobloco foi criado em 2000 e hoje figura entre os grupos brasileiros que contabilizam mais apresentações no país. Às 23h, é a vez da Escola de Samba Grande Rio. Ritmistas e passistas irão apresentar sambas-enredo consagrados da própria agremiação e de outras do carnaval carioca. Em 2014, a escola da Baixada Fluminense vai contar na Marquês de Sapucaí os 200 anos de história de Maricá, com o enredo “Verdes Olhos de Maysa sobre o Mar no Caminho: Maricá”.

No sábado (17/08), às 22h, a festa fica por conta do show do cantor e compositor pernambucano Alceu Valença, que no início do ano foi aclamado em sessões lotadas nos palcos de Lisboa e Paris. O bardo de Olinda promete um roteiro musical a partir de sua própria trajetória, interpretando canções que escreveu e cantou ao longo de sua carreira, como “Anunciação”, “Tropicana”, “Coração Bobo”, entre outros xotes, forrós e baiões. Músicas de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro também não devem ficar de fora no repertório.

E, no domingo, às 21h, é dia de rock nacional com a apresentação da banda Paralamas de Sucesso em sua turnê de 30 anos. A banda, expoente do movimento Rock Brasil dos anos 80, traz a formação original com Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone, além do tecladista João Fera e a dupla dos sopros Bidu Cordeiro e Monteiro Júnior. Os Paralamas vão tocar vários ícones dessa trajetória, como “Meu Erro”, “Óculos”, “Lanterna dos Afogados”, entre outros. “Em vez de celebrar esses primeiros 30 anos estamos festejando a abertura do segundo ciclo de 30”, celebra Herbert Vianna.

Share Button

Você pode gostar...